Aspectos Práticos: Abordagens à Realidade Complexa

oleos de côco no cabelo Salvatore
Na prática, em situações da vida real, esses testes e princípios são as primeiras
“vítimas” de seu caráter (excessivamente) redutivo.
Os principais fatores que os modelos in vitro não levam (ou não podem) levar
em consideração devem ser considerados:
• Os substratos proteicos da pele e do cabelo, insolúveis, são notavelmente
organizados (estrato córneo, desmossomos, cutícula, lipídios epidérmicos, etc.)
e naturalmente protegidos pelo que se denomina a barreira cutânea. O contato
íntimo entre surfactante e proteína, como Higiene do couro cabeludo e cabelos:
xampus que modelado em tubo de ensaio com proteínas solúveis, em nada
corresponde ao contato entre o surfactante e a pele. Esta é a razão básica pela
qual, na maioria dos testes in vivo, o investigador é forçado a maximizar as
condições (patch oclusivo, alta concentração, aplicações repetidas de forma
irreal, etc.) a fim de observar e quantificar qualquer efeito. Em condições normais
de uso, com exceção de casos alérgicos, a manifestação de uma reação a um
determinado surfactante quase nunca é observada.
• Um produto de formulação nunca, ou muito raramente, contém apenas um
surfactante. A presença de outros tensoativos, polímeros, espessantes, etc.,
podem modificar as características intrínsecas de um surfactante, às vezes de
maneira radical. Isso explica por que, muito sensatamente, os formuladores
tendem a testar a fórmula completa usando os procedimentos à sua disposição.

Leave a Reply

Your email address will not be published.